Campeonato Goiano 2014, Semifinal - 2ª rodada

Domingo, 30/03/2014 16:00 - Jonas Duarte - Anápolis-GO (BRA)


Escalações




Ocorrências da partida


8'/1 Lino
31'/1 Júnior Viçosa
31'/1 Fabrizzyo
0'/2 Alexandre Charles
7'/2 Cris
9'/2 Lino
23'/2 Renato Xavier Watthimem
23'/2 Thiago Feltri Victor Oliveira
25'/2 Jorginho
27'/2 Fabrizzyo Esquerdinha
29'/2 Jorginho Eusébio
30'/2 Júnior Viçosa
33'/2 Júnior Viçosa Felipe Brisola
34'/2 André

Público e renda


Renda: R$ 136.027,50
Público: 8.792

Arbitragem





Observações


Por: Thiago Martins / Portal 730

Atlético faz a festa, despacha a Anapolina por 3 a 0 e faz a final contra o Goiás

A festa estava armada, desde a chegada da delegação ao Jonas Duarte. Tinha fogos, animação e até balão, típico de qualquer comemoração antecipada. Mas, esqueceram de avisar um convidado. Esqueceram de combinar com o Atlético. Como um grande penetra, ele estragou a festa alheia, deu um baile de gala em campo, chacoalhou 3 a 0 pra cima da Anapolina no Jonas Duarte e aproveitou pra brindar a vaga na final do Goianão 2014, na semana que completa 77 anos.

O Jogo
A empolgação que vinha das arquibancadas contagiou os jogadores da Anapolina, que tentaram imprimir um ritmo forte no ataque, mas deixava grandes brechas na defesa. Aos dois minuto, Fabrizzyo fez boa jogada lateral e cruzou de forma perigosa, mas ninguém aproveitou. Aos cinco, foi a vez de Rafinha tentar, mas o lateral esquerdo demorou a cruzar para Danilo e perdeu a chance. Do outro lado, um gol era muito valioso e a chance não poderia ser perdida.

Aos oito minutos, Feltri tentou um cruzamento de trivela e falhou, mas na sobra, Fábio Lima colocou na área, a bola desviou na marcação, Juninho furou na primeira tentativa, mas Lino, como um exímio camisa 9, testou firme para o fundo da rede, calando o Jonas Duarte. Cinco minutos depois, o Atlético passou perto de fazer o segundo quando Jorginho arrancou pela esquerda, cruzou para trás e Viçosa bateu de primeira, pra fora.

Aos 17, a Anapolina conseguiu a primeira finalização com Danilo, um chute forte e cruzado, mas Márcio estava lá pra impedir. A catimba, que já era imensa desde o início da partida, tomou conta de vez quando Viçosa se estranhou com Fabrizzyo e caiu, simulando uma agressão, mas nada aconteceu. Logo na sequencia, aos 32, Alfinete reclamou a não marcação de uma falta e foi expulso, pra revolta geral da torcida. A última chance veio nos pés de Juninho, aos 40, mas André Luís defendeu com os pés.

2º tempo
A Anapolina voltou do intervalo mais ousada: nos vestiários, Alfinete sacou o meia Alexandre, muito mal no jogo, para a entrada de Charles. A alteração parecia dar resultado, já que logo aos dois minutos, Danilo foi lançado nas costas da defesa e bateu cruzado, mas Márcio impediu gol certo. Dentro de campo, os jogadores da Xata pareciam mais interessados em provocar Junior Viçosa, principal alvo da torcida, do que jogar bola de verdade.

Aos 11min, a defesa da Xata esqueceu o artilheiro sozinho na área e ele recebeu cruzamento na área, rolou de forma açucarada para Juninho, mas o baixinho, na cara do gol, errou de forma inaceitável. Aos 14, a Anapolina respondeu em uma das raras falhas da defesa rubro-negra, mas Danilo, na cara do gol, chutou torto, por cima. Aos 22, Martelotte tirou o exausto Thiago Feltri para colocar o jovem Victor Oliveira, e bastou três minutos para a mudança dar resultado.

Aos 25, Victor roubou bola no ataque, serviu Viçosa que foi desarmado por Felipe Baiano, mas mostrou raça, roubou, lançou Juninho que, de primeira, colocou Jorginho na cara do gol. O jovem meia olhou e, como quem colocasse com as mãos, deu um tapa na bola, no ângulo esquerdo de André Luís. A torcida da Anapolina já ia embora do Jonas Duarte, calada, quando o terceiro pintou.

Aos 31, mais um erro da Xata e Junior Viçosa, o mais perseguido, fintou até o goleiro e entrou com bola e tudo. Na comemoração, Viçosa fez o sinal de “acabou” e ainda plagiou Cristiano Ronaldo, com o tradicional “Eu estou aqui”. Ainda restou tempo para Márcio operar um milagre, aos 40min, em chute a queima roupa de Danilo.


Programa de rádio

Edição 160 - Célio Gaúcho

Todos os domingos às 12h na Rádio 730

Enciclopédia


O Vila Nova foi o primeiro time goiano a disputar uma competição internacional oficial. Em 1999, o time colorado participou da Copa Conmebol.