Divulgação no site do Goias E.C.

Luvanor


Luvanor Donizete Borges  •  57 anos  •  Meia



Ficha técnica


Data de nascimento: 15/02/1961
Naturalidade: Pirajuba-MG (BRA)
Altura: 172 cm
Peso: 68,00 kg
Melhor pé: Direito


Linha do tempo


15/02/1961

Nasce Luvanor em Pirajuba-MG (BRA).


Histórico


Duvide do esmeraldino que disser que não conhece a história de Luvanor, um dos maiores craques da história do futebol goiano. O jogador é mais um mineiro a ter sucesso em nosso solo. Chegou em Goiânia ainda na infância e trouxe consigo o carinho, a paixão, o amor pelo futebol.

Quando pequeno adorava brincar de bola, se necessário for, até goleiro já se tornou para não ficar fora das peladas. Foi pra linha, se tornou atacante velocista e goleador. Para seguir na base, se adaptou ao meio campo, posição que o consagrou como um dos grandes ídolos da história do futebol esmeraldino.

A primeira oportunidade foi ainda quando tinha 16 anos, chance dada pelo técnico Paulinho Almeida, em um duelo contra a Anapolina, no estádio Jonas Duarte.

A grande temporada foi em 1983 quando conquistou o título de campeão goiano, participou da primeira grande campanha do clube na Série A do Campeonato Brasileiro e chamou a atenção do emergente Catania-ITA onde se transferiu ainda naquele ano. Foi a maior transferência de todos os tempos do nosso futebol e com o montante Hailé e Edmo adquiriram a área que hoje está localizado o centro de treinamento Parque Anhanguera. Em solo italiano ficou durante três temporadas, mas não conseguiu a liberação do clube siciliano.

Por causa deste impasse ficou parado por vários meses isolado em sua fazenda até que o empresário uruguaio Juan Figger conseguiu a liberação e Luvanor voltou aos gramados com a camisa do Santos-SP.

Voltou ao futebol goiano para vestir a camisa do Vila Nova, mas a rivalidade e o sucesso no rival foram obstáculos para uma passagem tranquila no estádio Onésio Brasileiro Alvarenga. Uma proposta irrecusável do futebol colombiano o fez encarar a máfia do narcotráfico sul americano. Viajou junto com Nelsinho Baptista e Osvaldo Alvarez, Vadão.

Encerrou a carreira com a camisa da Anapolina em 1994. Se tornou coordenador técnico da base esmeraldina e técnico do sub 20 do Goiás no início dos anos 2010.

Clubes: Goiás (1977-83); Catania-ITA (1983-86); Santos (1986-88); Flamengo (1988); Internacional (1989); Vila Nova (1989); Sporting-COL (1989); Goiás (1990-91); Atlético-GO (1992); Bahia (1993); Anapolina (1994).


Conquistas coletivas:
Campeão Goiano: 1981, 1983, 1990, 1991 (Goiás)
Campeão Baiano: 1993 (Bahia)
Campeão do Torneio de Toulon: 1983 (Seleção Brasileira)

Feitos individuais:
Artilheiro do Goiás no Campeonato Brasileiro de 1983, com 8 gols.
Jogador com mais jogos disputados pelo Goiás no Campeonato Brasileiro de 1981, ao lado de Nonoca, Argeu e Matinha, com 15 partidas.
Jogador com mais jogos disputados pelo Goiás no Campeonato Brasileiro de 1983, ao lado de Marcelo, com 23 partidas.
Jogador com mais jogos disputados pelo Goiás no Campeonato Brasileiro de 1991, com 19 partidas.


Estatísticas


Campeonato:
Edição:
Clube:



Partidas disputadas: 110
Vitórias: 35 Empates: 39 Derrotas: 36
Gols marcados: 18 Cartões amarelos: 4 Cartões vermelhos: 0
Gols contra: 0


Partidas




Programa de rádio

Edição 160 - Célio Gaúcho

Todos os domingos às 12h na Rádio 730

Enciclopédia


Em 1986, a escola de samba Milionários do Ritmo compôs o samba enredo "Que bicho que deu? Deu Dragão" em homenagem ao título goiano conquistado pelo Atlético no ano anterior.