Brasão do clube

Rio Branco


Rio Branco Football Club  •  Fundado em 08/06/1919  •  Rio Branco-AC (BRA)


Principais títulos


Campeonato Acreano: 1919, 1921, 1928, 1935, 1936, 1937, 1938, 1939, 1940, 1941, 1943, 1944, 1945, 1946, 1947, 1950, 1951, 1955, 1956, 1957, 1960, 1961, 1962, 1964, 1971, 1973, 1977, 1979, 1983, 1986, 1992, 1994, 1997, 2000, 2002, 2003, 2004, 2005, 2007, 2008, 2010, 2011 e 2012 (43).

Torneio Início: 1921, 1948, 1950, 1951, 1990, 2006, 2007 e 2013 (8).

Taça Carlos Alberto: 1983 (1).

Copa Norte: 1997 (1).

Torneio Integração da Amazônia: 1976, 1979 e 1984 (3).


História


Rio Branco Football Club tem como cores o vermelho e branco; seu mascote é a Estrela Altaneira, símbolo da Revolução Acreana, que também está presente na bandeira do Estado do Acre. Como conta o Hino Acreano, a estrela possui a cor vermelha em homenagem aos seringueiros combatentes da Revolução, que derramaram os seus sangues na guerra contra o exército da Bolívia pela libertação e aclamação do Estado Independente do Acre. A Estrela Altaneira esteve sempre presente na vida do clube, que em seu primeiro uniforme já a estampava em cor vermelha , no centro da camisa branca.

O clube foi fundado em uma reunião ocorrida no Eden Cine Theatro (no local do Cine Teatro Recreio), na Rua 17 de Novembro no 2° Distrito da cidade de Rio Branco. A reunião foi convocada pelo advogado amazonense Dr. Luiz Mestrinho Filho, o qual estava na cidade para presidir uma comissão de inquérito na Agência dos Correios. Compareceram ao todo 16 pessoas, entre os quais estavam Nathanael de Albuquerque, Conrado Fleury, José Francisco de Melo, Mário de Oliveira, Luiz Mestrinho Filho, Alfredo Ferreira Gomes, Manoel Vasconcelos, Francisco Lima e Silva, Pedro de Castro Feitosa, Jayme Plácido de Paiva e Melo, que assinaram a primeira ata do clube. No mesmo dia da fundação, foram sugeridos por Luiz Mestrinho o nome do clube (em louvor à cidade e ao Barão do Rio Branco) e as cores vermelho e branco. Como primeiro presidente do Rio Branco, foi escolhido o Sr. Nathanael de Albuquerque.

Após eleita a primeira diretoria, o clube recebeu a doação de um terreno no local onde hoje está situada a Praça Plácido de Castro, por parte do prefeito, Dr. Augusto Monteiro. O terreno doado consistia em uma área de mata nativa, que em poucos dias foi substituída por um campo de terra batida para, mais tarde, tornar-se a sede social do clube.

A primeira partida oficial disputada pelo Rio Branco ocorreu no dia 14 de julho de 1919, com vitória por 5 a 0 sobre o Militar Foot-Ball Club, equipe da Polícia Militar do estado. O primeiro uniforme do Rio Branco era totalmente branco, com uma grande estrela vermelha no local do distintivo da camisa.

O Estrelão se orgulha de ter sido campeão de forma invicta da Copa Norte, em 1997, garantindo ao clube uma vaga na Copa Conmebol, tornando-se o primeiro clube da Região Norte a disputar uma competição oficial sul-americana.

Depois do auge, veio a queda. O Rio Branco passou por uma grande reformulação e não conseguiu forças para continuar crescendo no cenário nacional. O clube acumulou dívidas e não conseguia repetir os bons resultados em competições nacionais, chegando a desistir de participar das edições de 2002 e 2005 da Série C por motivos financeiros.

Entre 2002 e 2005, o Estrelão sagrou-se tetracampeão estadual, o primeiro e único desde a profissionalização do futebol local. Em 2004, o clube deu o primeiro passo na tentativa de voltar à Série B. Em uma excelente campanha na Série C, O Rio Branco só foi parado na última fase antes do quadrangular final, diante do Gama, que seria vice-campeão e conquistaria o acesso. O clube ainda lamenta que, naquela oportunidade, teve de jogar no Estádio Biancão, em Ji-Paraná, no interior de Rondônia, por ter sido punido pelo STJD após uma lata ter sido arremessada para dentro do gramado do José de Melo na vitória diante do Grêmio Coariense-AM na fase anterior.

Em 2008, a vaga no octogonal final veio após incontestável campanha nas fases anteriores, sendo líder nos 3 grupos das 3 primeiras fases. Porém, na fase final, o Rio Branco teria que se superar: Viajar mais de 53 mil km em busca da vaga para a Série B. A tabela o desfavoreceu: Foi o único time do octogonal a não ter jogos seguidos em casa. Com jogos no meio e fins de semana, as viagens longas e os pouquíssimos treinos antes das partidas fez o elenco se desgastar bastante, não conseguindo manter o ritmo das fases anteriores, e terminou o octogonal na última colocação, a 2 pontos do acesso para a Série B, ficando em 3º colocado na classificação geral da competição, consolidando novamente a sua força na Região Norte. O atacante Marcelo Brás foi o vice-artilheiro da série C com 19 gols.

Em 2013 se envolveu em problemas jurídicos por causa de punições impostas pelo STJD na temporada passada e atrasou o início da Série C até que a CBF e a justiça pudessem atender as reclamações de Rio Branco e Treze-PB que acionaram a justiça comum para se manterem na disputa da Série C.


Linha do tempo




A história em números


Campeonato: Edição:



Partidas disputadas: 252
Vitórias: 92 Empates: 55 Derrotas: 105
Gols marcados: 318 Gols sofridos: 376 Saldo de gols: -58


Extrato por temporada


Informe um ano entre a data de fundação do clube e a data atual para gerar o extrato de informações do clube.

Ano:   O ano informado deve ser entre 1919 e 2019.


Extrato por campeonato


Selecione um campeonato para gerar o extrato de informações do clube no campeonato.

Campeonato: Edição:


Programa de rádio

Edição 160 - Célio Gaúcho

Todos os domingos às 12h na Rádio 730

Enciclopédia


O Vila Nova foi o primeiro time goiano a disputar uma competição nacional oficial. Em 1963, o time colorado participou da Taça Brasil.

Históricos em destaque

Paraná-PR (BRA)

7 x 3

Vila Nova-GO (BRA)

Ver histórico completo



Atlético-GO (BRA)

2 x 1

São Bento-SP (BRA)

Ver histórico completo



Fortaleza-CE (BRA)

4 x 3

Goiás-GO (BRA)

Ver histórico completo